Mensagem de Reflexão para Setembro

  

Nada é mais difícil do que conhecer-se a si próprio.

 

Na Musica instrumentalis distinguem-se outros quatro níveis. O primeiro corresponde ao que se poderia chamar esoterismo integral. Traduz-se pela monodia modal, tal como se encontra no canto gregoriano ou bizantino, baseado em escalas estáveis, codificadas em função da tónica, a unidade de som fundamental. O segundo nível corresponde ao esoterismo relativo e identifica-se na música tonal que assenta no acorde perfeito.

O terceiro também corresponde a um exoterismo, igualmente relativo, mas que se manifesta na polifonia das composições profanas e se mantém, todavia, próximo do grau anterior.

É preciso ter em conta que, na Idade Média e até Ockeghem, no século XV, não havia separação entre canto profano e religioso: o contrafactum limitava-se a modificar o texto.

Temos, por fim o exoterismo absoluto que actualmente se identifica na música atonal, em que os acordes dão lugar a articulações sonoras mais heterogéneas.

Poderíamos dizer ainda que a monodia é uma expressão directa da espiritualidade e que a polifonia é apenas o seu reflexo.

Ora, sendo a voz humana o mais nobre dos instrumentos musicais, a melodia vocal, tanto individual como coral, representa o melhor meio de expressão de uma arte capaz de reproduzir, pelo menos em parte, a linguagem primitiva dos deuses e realizar a transubstanciação pelo som.

 

G_Collegium Fraternitatis Chorus

loader

Presenças

Temos 41 visitantes e 0 membros em linha

313886
Today
Yesterday
This Week
Last Week
This Month
Last Month
All days
883
975
5932
62873
11576
27546
313886

Your IP: 18.205.109.82
2019-09-15 15:15