Mensagem de Reflexão para Janeiro

  

És o arquitecto do teu próprio caminho.

 

 

Prémio Max Heindel de Mérito Académico

2017


No dia 25 de Novembro passado procedeu-se à entrega do prémio do ano em curso. Este prémio é atribuído anualmente pela Fraternidade Rosacruz de Portugal com o patrocínio do Instituto Francisco Marques Rodrigues.

Prémio Max Heindel de Mérito Escolar 2017



No final do corrente mês de Novembro será entregue o Prémio de Mérito Escolar “Max Heindel” do ano lectivo 2016/20177.

As bolsas e prémios são uma iniciativa da Fraternidade Rosacruz de Portugal e do Instituto Francisco Marques Rodrigues. Destinam-se a galardoar aluno(a)s economicamente carenciado(a)s, do Ensino Secundário Regular  e/ou do Ensino Superior, que residam em Portugal, tenham concluído o ano escolar com classificação mínima de 14 valores e revelem comportamento pro-social e ausência de disrupção.

Do Prémio/Bolsa e sua Atribuição:

 Prémio de Mérito Escolar Max Heindel 2016


O Prémio Max Heindel de Mérito é entregue anualmente. Testemunha o esforço e o êxito académico do aluno apadrinhado pela Fraternidade Rosacruz de Portugal. Consiste num diploma e em apoio financeiro e não impõe quaisquer obrigações futuras ao beneficiário.


A entrega do prémio do ano académico 2015-2016 decorreu em cerimónia própria no passado dia 19 de Novembro em Lisboa.

Prémio de Mérito Escolar 2016


O Prémio Max Heindel de Mérito Escolar é atribuído anualmente pela Fraternidade Rosacruz de Portugal.

O galardão do ano lectivo 2015-2016 foi entregue à estudante Joana Cristina Rodrigues Freitas, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, no passado dia 19 de Novembro, no decorrer da cerimónia do encerramento das actividades sociais previstas para o ano em curso. A galardoada termina no corrente ano lectivo o curso de Línguas e Relações Internacionais com o apoio da nossa augusta instituição.

Educar para Crescer


Nunca os problemas educativos haviam despertado tanto interesse como hoje.


No passado, só muito raramente as iniciativas de tipo pedagógico tinham surgido como resposta aos desafios colocados pela conjuntura.

Actualmente, porém, cabe-nos reflectir em profundidade sobre o melhor rumo a seguir face à imagem de crise que continua a dominar muitos dos discursos sobre educação. Subjacente a essas reflexões está a necessidade de a educação exigir princípios e modelos. Sem os primeiros não pode haver orientação digna desse nome; sem os segundos não pode existir humanização autêntica. Desta dupla exigência derivam as inúmeras dificuldades de vulto com que nos debatemos.